WhatsApp Image 2022-04-14 at 11.32.02
WhatsApp Image 2022-02-09 at 13.20.53
WhatsApp Image 2022-01-08 at 06.02.50
odonto-acre-1024x325-1-300x95
Propaganda GoVista
previous arrow
next arrow

Chefes do STF, TCU, STJ e TSE não irão a evento de Bolsonaro

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, a presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Ana Arraes, e o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, não vão comparecer à reunião do presidente Jair Bolsonaro (PL) com embaixadores na 2ª feira (18.jul) sobre o processo eleitoral.

Fux não estará em Brasília na data do evento, quando assume, ainda, o plantão da Suprema Corte. O anúncio da reunião com diplomatas foi feito por Bolsonaro em live nas redes sociais. Ele informou que o tema discutido serão as eleições de 2014 e 2018, que pretende “explicar para eles o que aconteceu” nas votações e que a reunião será “algo técnico“.

No sábado (16.jul), o ministro Edson Fachin, atual presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), recusou o convite pelo “dever de imparcialidade“, em razão do cargo que ocupa. Em ofício assinado pela chefe do cerimonial do tribunal, Fernanda Jannuzzi, é citado que a instituição “julga a legalidade das ações dos pré-candidatos ou candidatos durante o pleito deste ano“.

Além disso, Bolsonaro disse que vai discutir as “fragilidades” do sistema eleitoral no encontro e afirmou que irá contestar declarações de possibilidade de “golpe” por parte dele. Bolsonaro afirmou em mensagem enviada a grupos de WhatsApp, as quais o Poder360 teve acesso, que a reunião com diplomatas foi definida depois que o ministro Fachin se encontrou com embaixadores.

Em 31 de maio, Fachin se reuniu com diplomatas estrangeiros e os convidou a buscar “informações sérias e verdadeiras” sobre o sistema de votação brasileiro e disse que a comunidade internacional precisa estar “alerta” a “acusações levianas” contra a tecnologia. Leia a íntegra do discurso de Fachin no evento (99 KB).

Na 2ª feira (11.jul), Bolsonaro afirmou que Fachin se “intitulou ditador do Brasil” e que “quem age dessa maneira não tem qualquer compromisso com a democracia”. O chefe do Executivo também criticou a atuação dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, ex e futuro presidentes do TSE, respectivamente.

Entre os convidados para o evento de 2ª feira, o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), ministro Emmanoel Pereira o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira; e o general Braga Netto, cotado para ser vice de Bolsonaro, devem participar.

comentarios
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.