WhatsApp Image 2022-04-14 at 11.32.02
WhatsApp Image 2022-02-09 at 13.20.53
WhatsApp Image 2022-01-08 at 06.02.50
odonto-acre-1024x325-1-300x95
Propaganda GoVista
previous arrow
next arrow

A SAGA – STF AUTORIZA APURAÇÃO DE DENÚNCIAS DE MORO CONTRA BOLSONARO

BRASILÉIA 28-04-2020 15:53

E a “novela mexicana” protagonizada por Sérgio Moro e Bolsonaro continua.

Após acusações por parte de Moro de que o Presidente da República estava disposto a interferir nas investigações da Polícia Federal, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, protocolou pedido de abertura de investigações para apurar a veracidade das declarações do ex Ministro da Justiça.

Por sua vez, o Ministro do STF, Celso de Melo, autorizou nesta segunda-feira, dia 27 de Abril, a apuração das referidas acusações.

“Os crimes supostamente praticados pelo senhor presidente da República, conforme noticiado pelo então Ministro da Justiça e Segurança Pública, parecem guardar (…) íntima conexão com o exercício do mandato presidencial, além de manterem – em função do período em que teriam sido alegadamente praticados – relação de contemporaneidade com o desempenho atual das funções político-jurídicas inerentes à chefia do Poder Executivo”, escreveu o ministro.

O magistrado afirma, no despacho desta segunda-feira (28), que ninguém está acima da lei, nem o presidente da República, e manda recados ao Palácio do Planalto. Além disso, diz que o presidente está sujeito “às consequências jurídicas e políticas de seu próprio comportamento” e que ninguém tem legitimidade para “vilipendiar a Constituição”.

Paralelo a isso, o Presidente, Jair Bolsonaro, indicou nada mais nada menos, para assumir o comando da PF, Alexandre Ramagem e, segundo aponta o “Jornal O Globo”, Alexandre é amigo íntimo dos filhos do Presidente, tendo inclusive, passado o réveillon de 2019 na casa de Carlos Bolsonaro – filho do presidente que é apontado como peça fundamental de uma investigação que apura a disseminação de fake news e ataques contra autoridades.

Alexandre Ramagem chefiou a equipe de segurança de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018. No ano passado, ele chegou a ser nomeado superintendente da PF no Ceará, mas acabou convidado para ser assessor direto de Carlos Alberto Santos Cruz na Secretaria de Governo. Ele continuou na secretaria mesmo depois de Santos Cruz ser substituído por Luiz Eduardo Ramos. Em seguida, ele foi indicado para a Abin. Na sabatina no Senado, ele foi elogiado por outro filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro.

O pedido de investigações por parte do PGR em face de Jair Bolsonaro e com base nas acusações de Sérgio Moro, se fundamenta em um possível crime de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça e corrupção passiva privilegiada.

Por outro lado, caso Sérgio Moro não apresente provas de suas acusações, responderá por crimes de denunciação caluniosa e crimes contra a honra.

Ora, caros leitores, será que Sérgio Moro, com toda a sua experiência e conhecimentos jurídicos, agiria de forma impensada, no calor da emoção, ao ponto de prejudicar sua tão valiosa honra?

Com toda a certeza, Sérgio Moro tem provas suficientes e robustas de tudo o que foi dito. Além disso, ao contrário de “Judas” que agiu por simples e pura ganancia, Moro apenas se defendeu e justificou sua saída do Governo em um contexto fragilizado em que se encontrava o país.

Como já é de se esperar de uma sociedade envolvida em “MIMIMI”, Moro foi bombardeado por críticas que se fundamentaram nos argumentos baseados em “trairagem e falsidade”.

Vamos fazer uma breve retrospectiva dos fatos… Antes de Sérgio Moro apresentar ao Jornal da Globo as conversas com o Presidente e com sua “amiga”, Deputada Federal, Carla Zambelli, foi acusado pelo Presidente da República, pela prática do crime de prevaricação, ao ter supostamente realizado negociações baseadas na aceitação da troca do comando da PF apenas após ser indicado à vaga de Ministro do STF.

Sérgio Moro, como qualquer outro faria, apenas se defendeu. Mas por que justamente a Globo? Ora, independentemente das “implicâncias” já expressamente manifestadas pelo Presidente, a Globo é um dos jornais mais bem conceituado do país. Além disso, não foi Sérgio Moro quem procurou o jornal da Globo para apresentar suas provas, mas sim o contrário. E graças ao trabalho e compromisso incessante em manter a população bem informada, que estamos acompanhando o desenrolar de um momento tão importante e marcante para o povo brasileiro. Afinal de contas, não é todo dia que temos uma figura pública que se rebela contra o sistema corrupto e fraudulento que governa o nosso país.

Moro largou sua carreira brilhante de magistrado porque como muitos de nós, brasileiros, sonha e deseja ter um país livre da corrupção. Acreditou na bandeira do combate ao crime organizado, encabeçado por políticos corruptos, que levaram nosso país ao descrédito mundial e ao super-endividamento.

Estamos tão viciados e emaranhados nesse “lixo da corrupção e da ganancia” que nos tornamos incapazes de acreditar, em quem quer que seja, capaz de demonstrar honestidade e probidade. Muitos preferem acusar aquele que foi o único capaz de se voltar contra a corrupção.

Brazil’s Justice Minister Sergio Moro attends a session of the Public Security commission at the National Congress in Brasilia, Brazil May 8, 2019. REUTERS/Adriano Machado

Se Moro estivesse realmente atuando em uma peça de teatro objetivando apenas e tão somente a tão mencionada vaga no Supremo, teria se mantido ao lado do Presidente da República, silente diante das manobras políticas e pacífico perante os “mandos e desmandos” de Bolsonaro, afinal, faltavam apenas 7 meses para sua indicação.

Mas é como eu disse anteriormente, é honestidade demais para ser verdade não é mesmo? Como pode um cidadão, investido no seu dever de Ministro da Justiça, colocar acima de seus interesses pessoais, os deveres inerentes ao cargo que ocupa?

É probo demais para ser verdade, não é mesmo? Colocar em prática os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade? Mas foi isso que Sérgio Moro fez, no dia 24 de Abril de 2020, dia este que vai ficar conhecido na história de um país tão sofrido e marcado pela corrupção.

 

Por Thaís Sussuarana 

Redação FronteiraNews

 

comentarios

Comentários estão fechados.