WhatsApp Image 2022-04-14 at 11.32.02
WhatsApp Image 2022-02-09 at 13.20.53
WhatsApp Image 2022-01-08 at 06.02.50
odonto-acre-1024x325-1-300x95
Propaganda GoVista
previous arrow
next arrow

Empresas de Internet mentem quando garantem os melhores serviços aos seus clientes

Brasileia, Acre

Nós, consumidores da Fronteira, estamos tendo que lidar com um problema recorrente chamado – suspensão nos serviços da INTERNET ou redução da velocidade do sinal.

Atualmente, em razão da pandemia a qual estamos enfrentando, tendo que utilizar o isolamento social como principal mecanismo de proteção, muitas pessoas tiveram que aderir ao “Home Office”, alunos passaram a assistir as suas aulas em casa, de maneira virtual, o lazer também passou a ser exercido nos limites domiciliares com a procura dos filmes on line, enfim, a população se tornou mais e mais dependente da internet.

E assim como todo e qualquer serviço deve ser, o serviço de internet deve ser prestado de forma contínua, eficaz, atendendo ao fim a que se destina, exatamente nos moldes em que foi contratado.

Ora, se você contratou um pacote de internet que te oferece 10 megas, por exemplo, são exatamente os 10 megas que devem ser prestados, nada a mais, nada a menos.

Ocorre que como se já não bastasse a precariedade dos serviços de internet que são oferecidos aqui, na Fronteira – Alto Acre –, e ainda com um custo bem elevado, ainda temos que suportar várias horas de “lentidão” ou muitas vezes, o “nada”.

Eu, por exemplo, estou tentando dar andamento em duas pós-graduações, mas infelizmente, em várias ocasiões, não pude assistir minhas aulas, pois o tão necessitado serviço estava indisponível – falha na conexão.

Outro dia, em plena sexta-feira, me dirigi até uma loja, daqui de Brasileia, decidida a realizar uma compra. Porém, pasmem, não pude realizar a compra porque todo o comércio estava sem os serviços de internet, ou seja, não havia como, nós, consumidores, realizarmos o pagamento através da modalidade “cartão de crédito”.

Que fique bem claro que não nos interessa se a má prestação dos serviços é em decorrência das queimadas, ou de uma carreta que rompeu um fio, ou ainda de uma torre mal instalada que simplesmente desabou.

Nós, consumidores, não temos o dever de sermos responsabilizados juntamente com as empresas. Pelo contrário, temos o DIREITO de termos um serviço eficaz, contínuo, que atenda exatamente aos fins aos quais se destinam.

Só a título de conhecimentos jurídicos, vou aqui transcrever os dispositivos pertinentes ao assunto e que embasam nossos direitos. Artigo 20, incisos e parágrafos da Lei 8.078/90:

Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:

I – a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível;

II – a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;

III – o abatimento proporcional do preço.

  • 1° A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente capacitados, por conta e risco do fornecedor.
  • 2° São impróprios os serviços que se mostrem inadequados para os fins que razoavelmente deles se esperam, bem como aqueles que não atendam as normas regulamentares de prestabilidade.

Vejam, caros consumidores, que estamos quase que diariamente recebendo um serviço inadequado, que não atende ao que nos foi ofertado. Assim, de acordo com o que foi disposto acima, temos o direito de exigir uma das três opções: Ou que o serviço seja refeito, sem nenhum custo a mais por isso. Ou que seja devolvido o que nós pagamos, com o valor devidamente atualizado, além de podermos exigir indenização por danos materiais e morais eventualmente sofridos. Ou ainda, podemos exigir um desconto em nossa fatura.

Lembrando que em qualquer opção que escolhermos, se tivermos sofrido algum dano, ou seja, se tivermos sofrido algum tipo de prejuízo, podemos ainda procurar a Justiça – Juizado Especial Cível ou Justiça Comum – e solicitar indenização por danos morais e/ou materiais.

Vou citar aqui meu exemplo. Não estou conseguindo acompanhar os prazos da minha pós-graduação em razão desses problemas constantes de “falha na conexão” ou porque o “sinal” está muito fraco.

Em todas as ocasiões que me deparei com esse problema, entrei em contato com a empresa e a mesma apenas me informava o motivo do problema e que umas 5 (cinco) horas mais tarde eu teria a conexão normalizada. Em outras palavras: “CONSUMIDOR, NÃO PODEMOS FAZER NADA. TE VIRA!”

Pra completar, ao fazer uso do meu direito estabelecido no Código de Defesa do Consumidor, solicitei, apenas e tão somente, o abatimento na minha conta. Ressaltando que até então eu não tinha intenção alguma de procurar o Judiciário para requerer indenização por danos morais.

E sabe o que me responderam?? “Não haverá desconto devido a problemas de fora que ocasionam problemas aqui também”. SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICA A NOSSA SITUAÇÃO.

Sendo assim, quero aqui, não só compartilhar minhas frustrações e dificuldades enfrentadas, mas principalmente, TE DEIXAR BEM INFORMADO!

Porque CONHECIMENTO É PODER! Nunca deixe quem quer que seja, em qualquer tipo de situação, te fazer de “besta”, te humilhar ou te “passar a perna”.

As leis existem. O judiciário existe. Se você não pode pagar um advogado, a Defensoria existe. Se fosse foi mal atendido pelo Judiciário ou pela Defensoria, dificultando o livre exercício dos seus direitos, procure o órgão responsável pra atender a sua reclamação – RECLAME! NÃO SE CALE DIANTE DA OMISSÃO E INCOMPETÊNCIA DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS OU DAS EMPRESAS PRIVADAS.

No meu caso, assim que eu tiver um tempo, vou tirar “print” de todas as minhas conversas com a empresa em que reclamo dos serviços. Vou, principalmente, “printar” minha tentativa de resolver, de forma amigável, ao solicitar o desconto em minha fatura e a negativa da empresa. Vou tirar cópia da minha conta e do comprovante de pagamento e, com toda a certeza, vou me dirigir até o atendimento do Juizado Especial Cível, que no momento, está recebendo as reclamações através do endereço eletrônico: www.tjac.jus.br – opção: PETIÇÃO CIDADÃO.

Quando essa opção de reclamação é acessada, todas as orientadas são passadas de forma bem clara e simples. É só preencher os campos solicitados, relatar o que aconteceu com você e anexar todos os documentos que comprovem as suas alegações.

É rápido e fácil. Só não deixe de ir em busca dos seus direitos. Se todos nós, consumidores, reclamássemos diante de um serviço mal prestado, de um produto com “defeito”, de um mal atendimento, de uma informação mal fornecida, as empresas já estariam cumprindo fielmente com seus deveres e respeitando nossos direitos.

Espero ter ajudado de alguma forma com aqueles que, assim como eu, precisam, necessitam, de uma INTERNET de qualidade e que estão encontrando sérias dificuldades em realizar seus trabalhos, seus estudos, seu lazer etc.

 

comentarios

Comentários estão fechados.